terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Adeus, Jeová! Olá, tribunal! A Torre de Vigia entra com processo contra editora.

Goodbye Jehovah!
(Traduzido de JW Survey) Em 29 de dezembro de 2017, o advogado da Torre de Vigia, Armin Pikl, apresentou uma ação judicial contra a Rowohlt Publishing Company, a editora altamente conceituada na Alemanha, que publicou o aclamado livro  Goodbye Jehovah! (Adeus, Jeová!), escrito pela ex-Testemunha de Jeová Misha Verollet. O livro autobiográfico tem o título complementar: "Como eu deixei a seita mais notória do mundo".

O processo começou com uma notificação extrajudicial, em dezembro de 2017, que requeria a reescrita de numerosas páginas e a retirada de circulação de todas as anteriores edições. Rowohlt ignorou a notificação da Torre de Vigia, resultando em ação legal.


Goodbye Jehovah! foi publicado em 2014 por Misha Anouk, e foi bem recebido na Alemanha, chegando à posição 22 na lista alemã de livros mais vendidos. Recebeu atenção geral da mídia em toda a Alemanha, Suíça e Áustria, resultando em várias aparições na televisão, artigos e entrevistas de rádio. Embora o livro tenha sido um claro vencedor na Europa, a Torre de Vigia, mais de três anos depois, optou por lutar contra ele, que aparentemente teve efeito sobre os membros de língua alemã.

Enquanto as Testemunhas de Jeová não têm permissão para ler livros "apóstatas" ou qualquer material crítico de sua religião, Verollet acredita que algumas TJs de língua alemã estão lendo seu livro. Durante uma entrevista com o JW Survey, ele afirmou:

E-booos geralmente correspondem a 5% das vendas de um livro.  Com meu livro, a venda de e-books corresponde a 20%. Isso é inédito para a indústria.

Visto que livros impressos são mais facilmente encontrados e confiscados, Verollet acredita que várias Testemunhas de Jeová estão lendo seu livro baixando-o para seus tablets e telefones. As Testemunhas são menos propensas a serem flagradas com a versão eletrônica de um livro.


Por que o processo?

Dadas as centenas - talvez milhares - de livros escritos por ex-Testemunhas de Jeová, e prontamente disponíveis on-line, deseja-se saber por que o departamento jurídico da Torre de Vigia na Alemanha lançou um ataque contra esse livro, mais de três anos após o lançamento.

A organização Torre de Vigia não tomou qualquer ação quando o livro foi publicado pela primeira vez, embora, de acordo com a lei alemã, ela poderia ter interrompido a circulação do livro com uma injunção temporária. No entanto, o prazo para injunção expirou, deixando a Torre de Vigia com apenas duas opções: deixar o livro continuar circulando livremente ou apresentar uma ação judicial.

Crise de Consciência
Em uma atitude sem precedentes, a Torre de Vigia adotou ações legais. Isso pode parecer surpreendente para alguns, dado que as Testemunhas de Jeová ficaram praticamente silenciosas quando o membro do Corpo Governante, Raymond Franz, escreveu uma exposição épica do funcionamento interno da Torre de Vigia, intitulada Crise de Consciência.

Franz publicou seu livro em 1983, apenas três anos depois de ser formalmente desassociado pela organização que ele ajudou a construir. Na época, as Testemunhas de Jeová eram vigiadas bem de perto pelos membros do Corpo Governante, Superintendentes de Distritos e de Circuitos, e pelos anciãos locais, que eram, no final, os que expulsaram Franz da religião.

Enquanto uma porção de livros de ex-Testemunhas haviam sido escritos e lançados antes da excomunhão de Franz, poucas Testemunhas de Jeová ousaram ler tal material apóstata por medo de serem flagradas com esses livros e serem desassociadas. Para a maioria, o risco era simplesmente grande demais.

Parece que os 30 anos que se passaram, juntamente com a internet e a disponibilidade de volumes de material de leitura produzidos pelas ex-Testemunhas de Jeová de Jeová, ameaçaram deter o crescimento da organização que costumava chamar-se de religião de mais rápido crescimento no mundo. De acordo com o site jwfacts.com, a Alemanha é um dos países onde as Testemunhas experimentaram um declínio constante nos últimos anos. Em um relatório atualizado, o site declarou:
 Por outro lado, os países desenvolvidos, com o mais alto nível de riqueza, educação e acesso à internet, onde é possível encontrar informações sobre Torre de Vigia, têm pouco ou nenhum crescimento. Em 2016, muitos desses países relataram menos publicadores do que os auges do ano anterior, incluindo Grã-Bretanha, Austrália, Alemanha, Itália, EUA, Canadá e Japão. 

Apesar da diminuição do número de Testemunhas de Jeová na Alemanha, sua organização ganhou uma notável vitória em janeiro de 2017, quando recebeu o status de Direito Público como uma religião importante, após 26 anos de disputa legal. Esta decisão permite que as Testemunhas de Jeová em todos os 16 estados funcionem como uma única entidade religiosa - reduzindo os despachos de impostos, as taxas do governo e a papelada.

Mas, de acordo com a própria organização, havia um motivo adicional para celebrar.

Em outubro de 2017, o site JW.ORG afirmou que a concessão do status de Direito Público na Alemanha freou a maré de declarações "difamatórias" sobre a religião.

Armin Pikl, advogado da sede nacional das Testemunhas de Jeová na Alemanha, observou: "Durante os mais de 26 anos de esforços legais para obter o status de corporação de direito público, a mídia publicou centenas de declarações falsas e difamatórias sobre nossa religião, às vezes quase semanalmente. Agora, o dilúvio de declarações falsas e difamatórias diminuiu ".

Vale ressaltar que menos de 2 meses após as declarações acima, o advogado da Torre de Vigia, Armin Pikl, lançou um ataque à editora de Goodbye Jehovah!

Pikl sugere que a decisão de janeiro de 2017, que consolidou as Testemunhas de Jeová na Alemanha, levou à redução das declarações difamatórias sobre religião na mídia. Mas, de acordo com Misha Verollet, não houve redução significativa nos relatórios de mídia relacionados às Testemunhas de Jeová nos meses que antecederam à mudança. Os comentários de Pikl parecem ser uma tentativa de justificar a baixa cobertura feita pela mídia à alteração do status recém-adquirida pela Torre de Vigia.


Demandas e cobranças da Torre de Vigia

O processo instaurado no Tribunal do Estado de Hamburgo, Alemanha, pretende seguir as exigências feitas na notificação emitida pela Torre de Vigia, ou seja, a reescrita de todas as declarações consideradas difamatórias para as Testemunhas de Jeová e a adição de uma página errata com todas as correções aprovadas pela Torre de Vigia. Por fim, a Torre de Vigia está exigindo que todas cópias do livro sejam retiradas de circulação.

Parece que a Torre de Vigia está agora no negócio de editar livros apóstatas.

Enquanto Goodbye Jehova! foi escrito a partir da perspectiva de seu autor, Misha Verollet, a Torre de Vigia questionou a obra autobiográfico e quer certificar-se de que ao público seja apresentada uma versão revisada e purificada das experiências e eventos que caracterizaram a vida de Misha como Testemunha de Jeová.

Por exemplo, nas sete queixas apresentadas contra o livro, dois abordam diretamente questões de privacidade envolvendo a coleta de informações sobre Testemunhas de Jeová e não-Testemunhas de Jeová. Misha descreve o processo pelo qual as Testemunhas de Jeová registraram informações pessoais sobre estudantes da Bíblia em um formulário impresso até o ano 1990 na Alemanha. O formulário incluía o nome completo e o endereço do estudante, e erai entregue aos anciãos da congregação no final de cada mês, sem o conhecimento do estudante.

Formulário para relatar estudo
A Torre de Vigia também questiona as afirmações sobre os métodos de coleta de dados das próprias Testemunhas de Jeová, especificamente o requisito obrigatório de cada Testemunha de passar suas "horas" gastas no ministério todos os meses, juntamente com o número de livros e revistas "colocadas" com o público não-Testemunha. 

A Torre de Vigia afirma que, contrariamente às declarações de Misha, essas horas, colocações e outros dados não são monitorados e usados ​​por seus representantes. No entanto, duas vezes por ano, os Superintendentes de Circuito, que são representantes do Corpo Governante, avaliam tais estatísticas com os anciãos da congregação para determinar a condição do "rebanho" e usá-los como um dos critérios para nomear homens como servos ministeriais e anciãos.

Outra afirmação fortemente contestada pela Torre de Vigia é o papel do Corpo Governante como responsável geral pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados e outras corporações afiliadas. O processo afirma que não há conexão entre o Corpo Governante e suas corporações, apesar de cada membro de qualquer entidade da Torre de Vigia ser uma Testemunha de Jeová batizada e está vinculado, pelo dogma, às decisões e determinações dos oito membros desse Corpo Governante. O argumento da Torre de Vigia tem sido usado como um esforço para proteger os membros do Corpo Governante de dar depoimentos ou testemunhos em casos de abuso infantil e outros casos judiciais em todo o mundo.

Um item particularmente sensível no processo é a referência de Misha à pesquisa de Marvin Shilmer, que sugere que pelo menos 50 mil pessoas morreram como resultado direto da proibição da,Torre de Vigia sobre a transfusão de sangue ou componentes de sangue total. O livro aponta o Corpo Governante como responsável por tais políticas e as mortes resultantes.

Eu acho curioso que os advogados da Torre de Vigia estão processando a editora por declarações feitas sobre o Corpo Governante, quando a própria Torre de Vigia afirmou que o Corpo Governante não tem conexão com essas corporações. Se o Corpo Governante realmente não está conectado às corporações jurídicas da Torre de Vigia, por que a Torre de Vigia deve apresentar uma ação judicial como essa em nome dele?

Misha Virollet, autor de Googbye Jehovah!
O departamento jurídico da Torre de Vigia na Alemanha também contestou declarações do livro que sugeria ser prática da religião controlar o tipo de música que as Testemunhas podem ouvir. Embora não haja oficialmente uma "lista negra" de bandas e músicas banidas, há anos que a Torre de Vigia discute certos tipos de músicas e artistas nas páginas de suas revistas e emprega uma política de censura muito rigorosa em todos os beteis pelo mundo. As camareiras desses locais são instruídas para alertar o pessoal da sede no momento em que uma música "questionável" é encontrada entre os pertences dos betelitas.

A Torre de Vigia está a contestar fortemente uma das partes mais satíricas de Goodbye Jehovah!, que é um capítulo que inclui uma descrição humorística dos depoimentos anônimos utilizados na literatura da Torre de Vigia. Esses depoimentos são geralmente chamados de "experiências" e são impossíveis de verificar. Espera-se que as Testemunhas acreditem em todas as palavras sem questionar e relatem-nas a outros como fatos. A verdade é que o enfeite de histórias na literatura da Torre de Vigia e durante as assembleias é uma ocorrência comum.

Eu posso recordar muitos casos disso da minha própria vivência como Testemunha. Uma amiga TJ foi obrigada a reelaborar todo o seu depoimento que daria a uma assembleia e teve que excluir umas partes e adaptar outras, eliminando toda referência ao fato de que ela frequentou uma universidade e recebeu um diploma. O Superintendente de Circuito queria anular qualquer menção ao ensino superior para garantir que os jovens presentes não fossem influenciados fazer faculdade.


A Torre de Vigia mostra-se seletiva nos questionamentos

De acordo com Verollet, a Torre de Vigia tem sido extremamente cuidadosa na seleção dos sete "pecados" capitais de Goodbye Jehova! Há uma abundância de material em seu livro que trata de assuntos que podem ser considerados ainda mais prejudiciais para a Torre de Vigia, mas que a sua equipe jurídica escolheu não abordar.

Por exemplo, o livro narra o sexismo desenfreado e a homofobia na religião das Testemunhas, mas essas afirmações são inquestionáveis. Mais incontestável é a explicação de Misha de como a organização promove o medo através do espectro de Satanás, dos demônios e do ocultismo. Também está incluído o assunto de influência indevida, o B.I.T.E. do especialista em seita Steven Hassan; o modelo explica como organizações como as Testemunhas de Jeová controlam o comportamento, a informação, os pensamentos e as emoções dos membros.

Como Verollet disse ao JWsurvey, a Torre de Vigia passou por alto algumas das informações mais condenatórias sobre a organização das Testemunhas de Jeová - o que ele chama de "pedaços suculentos" - e se conteve em detalhes aparentemente insignificantes, que eles acham que lhes darão maior chance de ganhar o caso.

As preocupações relacionadas à privacidade são as principais questões que a Torre de Vigia sente que deve ser abordada e suprimida. A razão para isso está rapidamente se tornando clara. As Testemunhas de Jeová na Europa estão lutando pelo direito de fazer as anotações referente ao registro de casa em casa.

Na Finlândia, a Comissão de Proteção de Dados constatou que as Testemunhas de Jeová violam a lei de privacidade quando fazem registros de pessoas sem a permissão delas. A Torre de Vigia entrou com um processo em sua defesa, mas o processo foi rejeitado. A organização agora é apela para a União Europeia, que mantém rígidas normas de privacidade. O livro de Verollet atinge um nervo da Torre de Vigia e oferece uma explicação muito plausível para o porquê de Goodbye Jehovah! ser o alvo de um processo tão agressivo.

Rowohlt Publishing e Verollet estão se preparando para apresentar sua defesa ao Tribunal de Hamburgo até o final de fevereiro. A Torre de Vigia responderá à defesa, e ambas as partes terão a oportunidade de chegar a um acordo. Se um acordo não for feito, o caso será julgado perante um juiz. Pode demorar vários meses antes de a decisão ser tomada.


Enquanto isso, de acordo com Verollet, a resposta das ex-Testemunhas de Jeová de língua alemã tem sido esmagadora. Ele disse: "Estou realmente tocado, na verdade, como eles tomaram o meu lado e estão oferecendo apoio moral".

(Esta postagem foi traduzida com a ajuda do Google Tradutor)

Gostaria de conhecer melhor as Testemunhas de Jeová?
Então você precisa ler meu livro
Testemunhas de Jeová – o que elas não lhe contam?
Opções de download aqui



2 comentários:

  1. Aos poucos.as pessoas vão se inteirando dos crimes cometidos por esta organização de satanás. Isso é perfeitamente compreensível, pois os mesmos invocam o seu nome dia e noite.Se for fazer uma tabela, como já foi feito de quantas vezes ele usam o nome Jeová comparado ao nome de Jesus, ficando evidente que são os anticristos, conforme mostra um vídeo de Osmanito Torres, agora se colarem no enquete o nome de satanás é bem possível que este ganhe do próprio Jeová ou se aproxime bem de perto. Pois aí está o resultado! satanas mostrando seu agradecimento por expo-los aos olhos do mundo! obrigada pela postagem, abcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a Torre de Vigia, pelo menos pelas décadas de 80 e 90, tinha uma fixação horrível por nomes ligados a Satanás, como apóstata, apostasia, demônios. Até a palavra ódio aumentou, enquanto diminuiu o uso da palavra amor. Pelo visto, era tudo resultado do inesperado crescimento da apostasia, como resultado dos livros de Raymond Franz.

      Muito obrigado por comentar, amiga

      Grande abraço!

      Excluir